.

.

quarta-feira, abril 08, 2015

O discurso de Bial no Final do BBB15


Ela veio jogar, jogaram-na.
Ele veio blefar, blefoi-se.

Douglas, pinto, digo, ponto.

Ali, Aline, aqui, Aline, acolá, Aline em todo lugar.

Diabólica, mas pode chamar de Angélica.

Moça desencapada... ... Encontra seu capa e espada.

Moleque, sujeito homem, mané: pensou que ninguém tava vendo.

Essa apagou a própria história. BBB acidental 1: veio passear, ficou a 22 décimos de ganhar...

...Graças a BBB acidental 2: ceguinho às evidências do real, prescindiu do imaginário, fez-se só simbólico.

Deitando, ficando, pegando, largando, voltando, ficando, ficando, queimando, Fernando.

Amanda e Cézar, ambos, diante de uma realidade adversa, preferiram criar sua própria realidade particular.

Coisa de maluco: criaram uma realidade paralela dentro da cabeça e a projetaram em rede nacional.

Um lance quase psicótico, não tivesse tal construção mental se imposto a companheiros, dentro e fora da casa.

A vontade encasquetada de Amanda e Cézar realizou-se.

Assim como Fernando correspondeu a Amanda, a estátua respondeu a Cézar.

A lasanha que Cézar nos serviu foi composta de camadas e camadas de clichês, mas o resultado foi absolutamente original.

Tudo artifício, tudo verdade.

"Um cowboy caricato e populista", disseram.

Sim, caricato, maluco, mas há método nessa loucura, graça nessa caricatura.

Jeca Tatu vermifugado do século XXI, pós-Odorico Paraguassú turbo-sulista.

Nele o populismo é caricaturado pela ponta de baixo do discurso demagógico: é o objeto, a vítima da demagogia, o eleitor que se apropria da lereia populista, a devora e regurgita.

Há pensamento consequencial nessa loucura, lógica: e tudo numa língua própria, que não é bem português, a gente quase não entende, mas percebe tudo.

A essa racionalidade, a tanta concentração e foco, contrapõe-se seu oposto: um vulcão de paixão chamado Amanda. E, convenhamos, quem pode fazer frente à paixão, o que pode deter o desejo?

O que pode deter a mulher? Mulher, mulher... Que mulher? Disse um Cézar da psicanálise que a mulher não existe. Mas mulheres existem.

E enquanto mulheres apressadas e homens cegos pela vaidade julgavam que Amanda estava rastejando, de quatro, a mendigar por amor, ela fazia o contrário: subjugava o objeto de seu desejo, submetia seu amado, fazendo com que ele não apenas esquecesse o passado, mas que apagasse o passado, qualquer passado, em nome do futuro mais improvável.

Futuro improvável que se chama… Utopia. Utopia, esse céu na terra, construção mental, quase psicótica, que convence a tantos e nos move para além da desesperança, do tédio, da indiferença.

Céu na terra, terra no céu, pois bem, sem mais lero bolero, vamos anunciar o nome que vai, para sempre, ter como sobrenome "BBB".

É hora de despedidas, adeus, adeus, à Deus o que é de Deus.

À Cézar o que é de Cézar.

Pedro Bial

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...