.

.

domingo, junho 24, 2018

Boa tarde Comentando...








Acreditar Sempre!



Todos nós, na infância, temos sonhos:
grandes, médios ou pequenos.
Mas à medida que a vida passa, esses sonhos
vão para as prateleiras da vida.
Depois para a área de serviço,
até chegar ao sótão e ser, então,esquecidos.
E os sonhos acabam se tornando vestígios
de uma época em que a pessoa acreditava
no mundo e em sua capacidade de realização.
Enquanto os perdedores se acomodam e
pensam que um sonho é muito para eles,
os campeões se perguntam o que precisam fazer
para realizá-lo.
Nunca pense que uma meta não foi feita para você,
mas sim nas virtudes que precisa
desenvolver para conseguir atingi-la.

Seus sonhos mantêm aceso o fogo
sagrado em seu coração.
Eles são a seiva da vida.
Nós envelhecemos não porque o tempo passa,
mas principalmente porque abandonamos
nossos sonhos.

Pessoas de idade avançada, mas com grandes
ambições, carregam nos olhos o brilho da
juventude, pois suas metas continuam
alimentando sua alma.
É triste olhar para alguém com 40 ou 50 anos
e observar que está vivendo a espera da morte.
É Frustrante ver adolescentes precocemente
envelhecidos, pois em seus corações já não
carregam mais sonhos.
Para essas pessoas viver é simplesmente
completar o dia, completar o mês,
completar o ano.
E é triste constatar que nosso povo está
deixando de sonhar. A maioria procura
completar o dia. Não se permite imaginar
algo além do que está vivendo.

Nunca, nunca, nunca desista!

(Roberto Shinyashiki)




Sol Hoffmann

sexta-feira, junho 22, 2018

Boa noite Comentando...










Nem tudo é fácil...



É difícil fazer alguém feliz,
assim como é fácil fazer triste.

É difícil dizer eu te amo,
assim como é fácil não dizer nada.

É difícil ser fiel,
assim como é fácil se aventurar.

É difícil valorizar um amor,
assim como é fácil perdê-lo para sempre.

É difícil agradecer pelo dia de hoje,
assim como é fácil viver mais um dia.

É difícil enxergar o que a vida traz de bom,
assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.

É difícil se convencer de que se é feliz,
assim como é fácil achar que sempre falta algo.

É difícil fazer alguém sorrir,
assim como é fácil fazer chorar.

É difícil colocar-se no lugar de alguém,
assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.

Se você errou, peça desculpas...

É difícil pedir perdão?
Mas quem disse que é fácil ser perdoado?

Se alguém errou com você, perdoa-o...

É difícil perdoar?
Mas quem disse que é fácil se arrepender?

Se você sente algo, diga...

É difícil se abrir?
Mas quem disse que é fácil encontrar alguém que queira escutar?

Se alguém reclama de você, ouça...

Mas quem disse que é fácil ouvir você?!

Se alguém te ama, ame-o...

É difícil entregar-se?

Mas quem disse que é fácil ser feliz?!

Nem tudo é fácil na vida...

Mas, com certeza, nada é impossível...


(Cecília Meirelles)






Sol Hoffmann

quarta-feira, junho 20, 2018

Boa noite Comentando...







Descontruções


Quando conhecemos uma pessoa, construímos uma imagem.
A imagem tem a ver com as nossas
expectativas e mais ainda com o que
ela "vende" de si mesma.


É pelo resultado disso
tudo que nos apaixonamos.
Se a pessoa for parecida com a imagem que
projetou em nós, desfazer-se dela,
mais tarde, não será tão penoso.


Restará a saudade, talvez uma pequena mágoa, mas nada que resista por muito tempo.
No final, sobreviverão as boas lembranças.
Mas se esta pessoa "inventou"
um personagem e você acreditou,
virá um processo mais lento:
a de desconstrução daquilo que
você achou que era real.


Desconstruindo Ana, desconstruindo Marcos,
desconstruindo Carla.
Milhares de pessoas vivem seus dias
aparentemente numa boa, mas por dentro
estão "desconstruindo ilusões".
Tudo porque se apaixonaram por uma fraude,
não por alguém autêntico.


Ok, é natural que, numa aproximação,
a gente "venda" mais nossas qualidades
que defeitos. Ninguém vai iniciar uma história
dizendo: muito prazer, eu sou arrogante,
preguiçoso e cleptomaníaco.
Nada disso, é a hora de fazer charme.
Uma vez o romance engatado,
aí as defesas são postas de lado e a gente
mostra quem realmente é, nossas gracinhas,
manias e imperfeições.
Isso se formos honestos.


Os desonestos são aqueles que fabricam
idéias e atitudes, até que um dia cansam
da brincadeira, deixam cair a máscara
e o outro fica ali,
sem entender absolutamente nada.
Quem se apaixonou por uma mentira,
tem que desconstruí-la para
"desapaixonar".

É um sufoco. Exige que você reconheça
que foi seduzido por uma fantasia,
que você é capaz de se deixar confundir,
que o seu desejo é mais
forte do que sua astúcia.
Significa encarar que alguém por quem você
dedicou um sentimento bacana não chegou a
existir, que tudo não passou de
uma representação.

Talvez até não tenha sido por mal,
pode ser que esta pessoa nem conheça
a si mesma, por isso ela se inventa.
Sorte quando a gente sabe com quem está
lidando: mesmo que venha a desamá-lo
um dia, tudo o que foi construído
se manterá de pé.

Afinal, todos, resistimos muito a aceitar que
alguém que gostamos não é, e nem nunca foi,
ESPECIAL.

(Martha Medeiros)


Sol Hoffmann

terça-feira, junho 12, 2018

Boa noite Comentando...








Ter ou não ter namorado, eis a questão...



Quem não tem namorado é alguém que tirou férias remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia. Paquera, gabira, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas namorado mesmo é muito difícil.

Namorado não precisa ser o mais bonito, mas ser aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio, e quase desmaia pedindo proteção. A proteção dele não precisa ser parruda ou bandoleira: basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição.

Quem não tem namorado não é quem não tem amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento, dois amantes e um esposo; mesmo assim pode não ter nenhum namorado. Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema, sessão das duas, medo do pai, sanduíche da padaria ou drible no trabalho.

Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar lagartixa e quem ama sem alegria.

Não tem namorado quem faz pactos de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade, ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de curar.

Não tem namorado quem não sabe dar o valor de mãos dadas, de carinho escondido na hora que passa o filme, da flor catada no muro e entregue de repente, de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque, lida bem devagar, de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada, de ânsia enorme de viajar junto para a Escócia, ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo, tapete mágico ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir, fazer sesta abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele; abobalhados de alegria pela lucidez do amor.

Não tem namorado quem não redescobre a criança e a do amado e vai com ela a parques, fliperamas, beira d'água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical da Metro.

Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não se chateia com o fato de seu bem ser paquerado. Não tem namorado quem ama sem gostar; quem gosta sem curtir quem curte sem aprofundar. Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada ou meio-dia do dia de sol em plena praia cheia de rivais.

Não tem namorado quem ama sem se dedicar, quem namora sem brincar, quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele.

Não tem namorado que confunde solidão com ficar sozinho e em paz. Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.

Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando 200Kg de grilos e de medos. Ponha a saia mais leve, aquela de chita, e passeie de mãos dadas com o ar. Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesma e descubra o próprio jardim.

Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela. Ponha intenção de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteio.

Se você não tem namorado é porque não enlouqueceu aquele pouquinho necessário para fazer a vida parar e, de repente, parecer que faz sentido.

(Artur da Távola)



Sol Hoffmann

sábado, junho 09, 2018

Boa noite Comentando...






Sou...

Sou o que sou
Às vezes o que não sou.
Sou o grão de areia
Na engrenagem da tua vida.
Insignificante, débil.

Sou a lágrima que escapa do teu rosto
A tua estrada sem fim,
Sem direção ou rumo definido
Desprovido de luz e vida.

Sou a fantasia ainda não cumprida.
O desespero de não estar.
A minha própria alienação.

Em mim sou o que não sou
Em ti sou o que sou.
Em ti quero ser, acontecer.

(Antônio Alves)



Sol Hoffmann

terça-feira, junho 05, 2018

Ana Clara fala da vida pós-BBB e nova rotina como influenciadora digital: 'Não passo mais despercebida'

Em ensaio exclusivo, ela comenta as principais mudanças em seu dia a dia e os planos para o futuro


Ela não levou o prêmio principal do Big Brother Brasil, mas conquistou o país inteiro com seu carisma e personalidade forte.  
Ana Clara entrou na 18ª edição do reality show pegando carona no sonho de seu pai, Ayrton, que ansiava por uma vaga no programa há 16 anos. 
Lá, viveu uma experiência inédita até então: sob a alcunha de Família Lima, os dois trilharam a caminhada juntos como um só jogador. 
Pelo percurso, os embates típicos de pai e filha e a desenvoltura da jovem de 21 anos levaram a dupla até o último episódio, quando conquistaram o terceiro lugar na disputa. 
Agora, com a vida totalmente transformada pela experiência na TV, ela bate um papo com o Gshow em um ensaio exclusivo para contar como tem sido a vida pós-BBB.
 
"Está tudo muito corrido, bem louco. Ainda estou tentando me habituar e assimilar as responsabilidades que tenho agora", conta.
Durante os três meses de confinamento, a ruiva viveu intensamente as festas, provas e tretas da casa mais vigiada do Brasil, e nem imaginava o furacão que se tornava sua imagem fora do programa. 
Ao sair, se surpreendeu ao perceber que já colecionava milhões de seguidores nas redes sociais, número que cresce exponencialmente. 

"Quando saí da casa, já tinha feito dois milhões de seguidores no Instagram e foi muito louco ver isso, não consegui entender. E logo depois, quando fiz duas semanas fora da casa, já estava chegando a seis milhões. É muito pouco tempo para um crescimento tão grande, estou tentando administrar isso", comenta. 




Agora, além de ex-BBB, Ana Clara também carrega o título de 'digital influencer'.
Algumas reportagens já especulam, inclusive, que ela pode se tornar a participante do programa mais popular nas redes sociais – só está atrás de Grazi Massafera e Sabrina Sato, que ostentam números em torno de 13 milhões de fãs.

"Elas não são mais lembradas pelo programa, conquistaram o lugar delas no meio artístico e agora são reconhecidas por isso. Vou carregar por mais tempo esse título de ex-BBB, porque é muito recente e ainda não consegui mostrar que sou mais que isso. Seria incrível chegar um dia a ser conhecida como elas, pelo meu trabalho. O programa é uma porta imensa, tem gente que abre só um pouquinho e tem gente que abre mais. Já eu quero derrubar essa porta!", diverte-se a ruiva.

 "Minha vontade é ser conhecida pelo trabalho artístico, mas sem nunca esquecer que quem abriu essas portas para mim foi o BBB"



Com toda a visibilidade conquistada após o programa, ela ainda se acostuma com a vida de influenciadora digital – e isso inclui os famosos e cobiçados "recebidos", presentes que as marcas enviam aos blogueiros com o intuito de se divulgar.

"Está uma confusão aqui em casa! Tem umas 45 caixas, você acredita? Não tenho nem onde enfiar!", brinca ela, que também não deixa de lado o peso que o novo momento traz.

 "É preciso ter responsabilidade, porque tudo que postamos pode afetar as pessoas, de forma positiva ou negativa. E quanto mais gente vê o que você posta, mais vidas você afeta", explica.



A ruiva acredita que sua popularidade na web pode ser uma arma poderosa para fazer o bem.

"Acho muito importante usar essa visibilidade a nosso favor e a favor dos outros. Quero usar minhas redes para que conheçam a mim e ao meu trabalho, mas também para ajudar as pessoas, divulgar quem precisa. Pretendo fazer tudo que estiver ao meu alcance. Como é uma visibilidade nacional, quero, por exemplo, conseguir ajudar uma ONG que atue no Brasil todo", explica.


Apesar de todo o carinho dos fãs e do lado maravilhoso da fama, Ana Clara admite que tem sentido falta de algumas coisas de sua antiga rotina.

"Não voltei para a faculdade ainda e isso me dá muita saudade, porque era uma coisa que tomava meu dia todo", conta ela, que costumava ficar das 6h até às 22h envolvida com os afazeres universitários. Bater perna na rua também se tornou, de uma forma geral, mais difícil no dia a dia. 
"A maior mudança é ter que pensar sempre aonde vou, com quem e como vou". 

 "Acho engraçado quando me falam isso, mas acaba sendo verdade: não sou mais uma na multidão, não passo mais despercebida nos lugares", conta.



Em meio a tantas mudanças, uma delas também pegou a ruiva de surpresa e vai para a série "Expectativa x Realidade".
Durante as festas do programa, Ana Clara fazia planos de uma vida amorosa agitada após o BBB.

"Achava que ia sair da casa e passar o rodo. Coitada de mim", diverte-se. Apesar de não ter sido bem isso o que aconteceu, ela garante ter outro foco no momento.
"Sempre brinco muito com isso, mas não estou incomodada. Agora tenho outras prioridades. Como vou me relacionar com alguém se não tenho conseguido nem administrar direito a minha vida?", conclui.


GSHOW

sábado, junho 02, 2018

Boa noite Comentando...








Três coisas para se viver melhor:


O dia pede:

que você se encha de coragem, para tomar decisões,
que você se encha de paciência, para resistir as tribulações,
que você se encha de esperança, para não desanimar,
que você se encha de perseverança, para esperar na fila,
que você se encha de otimismo, para insistir no seu sonho,
que você se encha de compreensão, quando errar e não puder voltar atrás.
que você se encha de fé, quando todas ás portas se fecharem.
que você se encha de amor, pois sem amor, toda luta é perdida e não vale a pena.

A oportunidade que você pediu é este dia,
que se apresenta vazio, pronto para ser preenchido.
É o momento certo de reparar erros,
pedir perdão e perdoar.
Seguir no caminho e recomeçar,
conversar antes de condenar.

E ainda assim, se restar alguma dúvida,
use a fonte serena da eternidade,
trinômio da sabedoria:
"perdoar, acreditar e amar".

Eis o recado do tempo que não espera,
que não apita na curva e nem manda recado:
"hoje é o dia que você esperava,
faça dele o seu melhor tempo."
Amanhã o sol pode não aparecer,
e na noite escura,
não nos veremos tão cedo.
Segue então,
perdoando, acreditando e amando muito!

Eu acredito em você!

(Paulo Roberto Gaefke)




Sol Hoffmann

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...