.

.

segunda-feira, novembro 23, 2015

TE LIBERO DE MIM


Não estou tão mal, eu lhe garanto.
Encontrei pessoas que me fazem rir muito.
Ele voltou a me encontrar de manhã, quando tomo café; e à noite, quando volto do trabalho e não há ninguém sob o cobertor…

Não estou tão mal, acredite em mim.
Eu estou bem, embora continue te vendo numa fração de segundo em cada café, cada vez que eu pegar o cobertor e procuro algo para me apoiar.

Eu estou bem, abri os braços para criar novas memórias nas quais você não aparece; e ainda, eu confesso: eu não tenho o suficiente delas para parar de sentir frio.
Aqui você não está, apesar de eu te ver

Escrever é a maneira mais difícil e menos corajosa que eu encontrei para dizer-lhe que eu sinto sua falta incondicionalmente, mas eu preciso viver comigo.
Isto é, se não podemos ser um só, o melhor que posso fazer é começar a ser eu.
Assim como já me disseram antes, quem tem que estar comigo sou eu mesma.

E você, faz muito tempo que você não está mais aqui, embora eu continue te vendo em todos os lugares que eu vou.


Te libero de mim

Também me disseram por aí – e esta é a verdadeira função deste escrito- que a melhor maneira de acabar com a dor é liberando-a.
Portanto, sem rancor e sem ódio, eu ofereço toda a liberdade que você precisa: não estou me referindo a algo que já está claro, você vai embora; mas realmente deixarei você de verdade, sem culpa ou remorso, não mais chorar.

Para isso, o melhor, pelo menos por agora, é me livrar de tudo: dos domingos em sua casa, de filmes compartilhados onde eu sempre dormi.
Deixar de lado os sonhos que não conheci, meu mau humor que manteve o seu sorriso, a tristeza, a nossa alegria.
Virar a página.

Digamos adeus para as cidades que conhecemos juntos, ao que você me ensinou e ao que eu posso ter ensinado você.
Vamos começar do zero.
Eu te libero de mim.

Me dispo mesmo sem saber de tudo, porque eu sei que é o certo.
Tenho certeza que nisso nós concordamos: se não podemos ser como quisermos, o mais saudável é que sejamos de outra forma; e se não há nenhuma outra forma agora, a única coisa que pode nos curar é que que não sejamos.


“Hoje, eu libero você

Eu te libero de mim,

meus males,

daquelas tardes de domingo infinitas,

Dos parabéns no meu aniversário,

de não saber como fazer para dar-lhe algo

que não tenha ou que não perca.

Eu te libero da decepção,

do seu karma,

das minhas notícias,

dessa contradição que me invadiu

e eu represento.

Eu te liberto de minhas chamadas,

meus emaranhados,

meu cabelo,

Chinês, longo e despenteado

que emaranhava em seus dedos e doía.

Eu te libero da minha consciência,

das quedas, dos recomeços,

deste voo.

Eu te libero dessa porta que você acabou de fechar,

para que você vá,

para que me deixe,

para que me veja longe e me queira cada dia menos,

embora isso me doa no fundo do meu coração. ”

Mario Benedetti

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...