.

.

domingo, setembro 13, 2015

Nenhum centavo a mais


Sem eira nem beira, condenados à ignorância por um sistema educacional precário e, portanto, ao desemprego, subemprego ou emprego de baixa qualidade, os pobres são ouro em pó para políticos. Usados por todos. E abusados por populistas e inescrupulosos, como bem mostra o ex-presidente Lula.

O ex-pobre que migrou de Garanhuns (PE) e se tornou o primeiro operário a ocupar a Presidência da República não tem qualquer respeito com os que vivem na pobreza. Lambuza-se deles para coroar de êxito o seu governo, pouco se lixando para a velocidade com que a crise devolve à penúria quem achava que dela tinha escapado.

Em oposição explícita ao governo arrasado de sua pupila Dilma Rousseff, Lula tem sido cada vez mais enfático nas críticas ao ajuste fiscal que ele próprio aconselhou que a afilhada fizesse. Sem enxergar saída, tirou o corpo fora para pregar a mesma ladainha de sempre: ele – e só ele – cuidou dos pobres, gastou e propiciou consumo e comida aos pobres, tirou 35 milhões da miséria. Dilma fala em mais de 40 milhões ungidos à classe média.

Ainda que não se coloquem em dúvida os números – por mais exagerados que sejam -, veem-se hoje os resultados da superficialidade da ascensão ancorada única e exclusivamente no consumo e no crédito farto.

Ao crescimento de 56% no número de desocupados em apenas um ano, superando a casa de 8,5 milhões de pessoas, segundo a Pnad Contínua/IBGE, somam-se a inadimplência e a queda da qualidade de vida.

Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada na quarta-feira, aponta que o desemprego afetou 44% dos entrevistados nos últimos 12 meses e que 48% dos brasileiros correram atrás de bicos para complementar a renda. E mais da metade – 54% - acredita que dias piores virão.

É evidente a falta de sentido do discurso bestial de Dilma, repetido sexta-feira, no Piauí, de que “uma minoria aposta no pior”. Por aí, ela não tem chance. Nem por outro lugar qualquer. Dilma, na verdade, já se condenou ao fracasso. Sua fala confusa, apelidada de dilmês, tinha até alguma graça. Conferia a ela lugar de destaque na galeria do folclore político. Hoje, é só patética.

Em entrevista ao Valor Econômico, Dilma chegou a alegar questão de gênero ao ser questionada sobre renúncia pela jornalista Cláudia Safatle. “Você já pensou que nunca perguntaram isso para nenhum homem? Por que mulher renuncia?” Um total contrassenso.

Até Lula, com toda a sua verve palanqueira, perdeu o charme. Na semana passada sentiu o gostinho de falar em praça pública. No Paraguai e na Argentina. Por aqui, só em ambientes fechados, com gente amiga. Seu discurso encontra travas em todas as frentes. Tem tido dificuldades para seduzir os pobres aos quais ele prometeu mundos e fundos e que se redescobrem pobres, a classe média, nova ou consolidada, e os ricos que nele viram chances de purgar culpas.

Hoje, tantos foram os engodos e aprontações de Lula, PT, Dilma e Cia – e aqui cabe destacar os sucessivos escândalos de corrupção, culminando com os da Petrobras –, que esses segmentos tidos como antagônicos se unem em repúdio. A rejeição recorde de Dilma, os milhares que vão às ruas em protesto contra ela, os mais de 500 mil que assinaram petição pró-impeachment em menos de 24 horas, o sucesso dos bonecos-pixulecos espelham isso.

O feitiço atacou o feiticeiro, o “nós” virou “eles” e vice-versa. Juntos e misturados para dizer não a tudo que aí está. Não há, portanto, a menor chance de arrancar mais dinheiro dessa maioria para tapar os buracos da gastança desenfreada dos governos Lula-Dilma.

Neles, disseminou-se a roubalheira como política de Estado. Encheram-se as burras de muitos asseclas. O país empobreceu e faliu.

Para eles, nenhum centavo a mais.

Mary Zaidan

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...