quarta-feira, janeiro 11, 2017

O trabalho que (não) dá ser gente-metade


Tenho uma espécie de admiração e desprezo - tudo meio junto - por quem consegue ser "gente-metade".

Gente-metade põe o pé no mar na pontinha dos dedos, só para ver se água está fria.

Se estiver, geralmente, prefere o chuveiro.

Para essa gente, até o mar lhes causa aflição.

Tudo o que é grande lhes amedronta.

Do mar à gente.

Gente-metade não faz distinção.

Quando chove, muito insiste em acreditar que debaixo daquela parafernália pequena e inútil, nenhuma gota d'água lhe atingirá.

Brigam com os fatos como quem determina com poder os acontecimentos.

Gente-metade sente dor por etapas.

Primeiro sente pouquinho, depois diz o que sente aos pouquinhos e depois sente muito mais do que diz, aos pouquinhos.

Gente-metade tem um privilégio: já nasce pronta.

Gente inteira, não.

Gente inteira é sempre quase inteira.

Quase pronta.

Gente inteira está sempre buscando se inteirar.

Gente inteira está sempre em construção.

Gente inteira precisa sempre de mais obras para se edificar.

Cláudia Dornelles

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...