.

.

domingo, dezembro 25, 2016

A VIDA PRECISA DE PAUSAS


“A vida precisa de pausas”.

Essa frase é de Drummond, e já a tinha visto várias vezes.

Mas dessa vez me impactou de um jeito diferente.

Não sei se é porque estou em pleno processo de saída da pausa ou se porque o tempo me fez refletir e olhar para ele a partir de outra perspectiva.

É essa perspectiva que gostaria de compartilhar.

O tempo de hoje nos pede urgência, rapidez.

As mudanças são constantes e não há muito tempo para refletir sobre elas.

Somos demandados a tomar as melhores decisões, de forma inovadora e criativa, em menor tempo possível, gastando o mínimo possível. Não é isso?

Pelo menos, é este o apelo que tenho visto em algumas empresas. Faz sentido.

E é exatamente por isso que precisamos de pausas.

Para melhor saber no que investir nosso tempo, nosso dinheiro e, mais importante que tudo isso, no que investir nossas vidas e nossos afetos.

A ansiedade por fazer sempre do jeito certo (e rápido!) tem gerado em nós desconexão uns com os outros e com nós mesmos.

Não conseguimos desfrutar.

Estamos no agora pensando no por vir, o que tira de nós a integralidade da experiência de estar simplesmente presente.


Por isso, precisamos de tempo para contemplar, para nos dar a chance de observar a vida, nos distanciar um pouco do problema e das questões cotidianas para permitir que o essencial imerja.

Tempo para nos permitir reconhecer e dizer que, às vezes, não sabemos o que fazer (ainda).

Esse reconhecimento é importante e nos acalma, quando somos capazes de fazê-lo.

Esse reconhecimento faz a poeira baixar e, com ela baixa, conseguimos ver horizontes que antes não víamos.

Dar pausa é garantir esse tempo para a poeira decantar.

Tem decisões na vida que precisam desse tempo para amadurecer, para se tornarem possíveis, para ganharem forma.

As vezes nos apressamos em tomar decisões e justificamos a intempestividade por não ter tempo para pensar melhor.

É preciso coragem e sensibilidade para romper com esse discurso e permitir pensar e fazer diferente.

É preciso que nos deixemos sentir para sermos capazes de concretizar novas realidades.

Sou uma defensora do tempo da observação, do tempo para ver como vemos, isto é, ver a nossa forma de nos relacionarmos com o mundo e de interpretarmos a realidade.

Só conseguimos fazer isso, quando estamos na “pausa”.

É nela que tomamos a distância necessária para ver como vemos.

Depois desse momento, ainda na pausa, precisamos nos permitir continuar no ciclo do aprendizado.

Precisamos redirecionar o olhar para, então, ver a partir do todo.

Por vezes é difícil.
Precisamos de ajuda de outras pessoas para contemplarmos o todo, para ver aquilo que, sozinhos, não víamos.

Ao fazer isso, começamos a experimentar o Presenciar, que tem a ver com o “abrir-se para receber” o novo a partir de uma participação consciente que, agora, considera um campo mais vasto de mudança.

Nessa presença o que está em questão é “o deixar ir para deixar vir”.

Precisamos abrir espaço para a novidade.

E isso envolve abrir mão de modos de fazer antigos.

Só a partir desse momento que começarmos o movimento de realizar.

Só então saímos da pausa para coordenar as ações e, assim, incorporar o novo ao nosso fazer.

Até este momento, as ações estavam em fase de incubação.

Ao vivermos esse processo, ganhamos maior consciência do todo.

Essa consciência promove uma ação mais efetiva, isto é, uma ação que beneficia cada vez mais o todo.

Por isso, é importante sistematizarmos e incluirmos em nosso dia-a-dia os momentos de pausa, para não sermos engolidos por uma rotina que não nos permite pensar e sentir com dignidade.

Essa pausa é indicativo de saúde, psíquica e emocional.

Nos permitir a pausa, se feito com integridade, nos torna mais presentes, mais vivos e conectados.

E essa presença tem a ver com estar mais atento e consciente do aqui-agora, abrindo espaço genuíno para pensar o futuro (sem que isso se traduza em ansiedade).

Não sei se Drummond pensava nisso quando escreveu sua célebre frase ou se sua intenção era essa.

Mas, ler essa frase na minha pausa, gerou essas reflexões. Espero que encontre eco no corações de vocês como encontrou no meu.

E pausa…”

Fonte : Alto Astral

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...