.

.

terça-feira, setembro 15, 2015

É o que temos pra agora


De 162 países apenas 11 não estão envolvidos em guerras – externas ou internas – políticas, raciais ou religiosas. É o que temos neste 15º ano do século XXI, dito o século da informação e do conhecimento.

Nesses números feios não estão incluídos países de grande violência urbana, como o Brasil, por exemplo, que registra 27 homicídios por cada 100 habitantes. Foram 200 mil de 2008 a 2011. Mais do que a guerra do Iraque que, em 10 anos, matou 174 mil pessoas. O Brasil, deste 2015, responde por 13 a cada 100 assassinatos no mundo.

Bom não está. Nem aqui, nem acolá. Só da guerra da Síria – a mais em pauta neste setembro - sairão quatro milhões de refugiados, estima a ONU. Em 2014, havia 59,5 milhões de deslocados no mundo, 42.500 pessoas em média diária, 19 milhões de refugiados. A fome castiga a maioria deles.

“Deslocados” são pessoas que por conta de guerras e conflitos tiveram de abandonar suas casas e buscar proteção em outros lugares, dentro ou fora de seus próprios países. Refugiados são os que trocam de países. Como os sírios agora. Como os angolanos, haitianos e outros das 81 nacionalidades dos 5, 2 mil refugiados aqui abrigados.

“Nos próximos 50 anos, a inteligência artificial, a nanotecnologia, a engenharia genética e outras tecnologias permitirão aos seres humanos transcender as limitações do corpo. O ciclo da vida ultrapassará um século. Nossos sentidos e cognição serão ampliados. Ganharemos maior controle sobre nossas emoções e memória. Nossos corpos e cérebro serão envolvidos e se fundirão com o poderio computacional.”

A previsão é do filosofo e futurista Max More, datada de 1994, que arrematou: “Usaremos essas tecnologias para redesenhar a nós e nossos filhos em diversas formas de pós-humanidade”.

Estamos cada vez mais perto da previsão. Grosso modo, o pós-humanismo posto em discussão desde Nietzsche e seu supra-humano, tem a ver com tecnologia e conhecimento – evolução. Mas vem convivendo com o desumanismo, a brutalidade em escala crescente, traduzida nos números desumanos das violências – urbanas, de guerras, terrorismo, guerrilhas.

Operamos cada vez melhor as máquinas, armas inclusive. Padecemos muito do descontrole sobre as emoções. Não são elas que, desregradas, produzem intolerância, preconceito, ódios, ganância e brutalidades?

Agora, somos 7,3 bilhões de pessoas a ocupar o planeta terra, onde, estima-se há US$ 75 trilhões em circulação. 800 milhões de almas ainda passam fome. Diz-se que os 85 mais ricos têm o mesmo dinheiro do que os 3.5 bilhões de mais pobres.

Na última campanha eleitoral brasileira foram gastas 5,1 bilhões de reais. O suficiente para pagar quatro meses de bolsa família, que socorre 14 milhões de pobres. Ou construir 20 super-hospitais.

Parece que o prejuízo causado pela corrupção na Petrobrás foi de 19 bilhões. Somália e Correa do Norte são os dois países mais corruptos do mundo. Dinamarca, Nova Zelândia e Finlândia são os menos. O Brasil tem a 69ª posição nesse ranking de surrupiação, que reúne 175 países. Divide o prêmio com Bulgária, Grécia e Itália.

Pouca vergonha. Pouca paz, pouco amor. É o que temos pra agora, com pós-humanidade em curso e redesenhando-se para nós, nossos filhos, nossos netos.

Tânia Fusco

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...