.

.

domingo, setembro 20, 2015

Curitiba, a capital federal


Mesmo com apoio popular, cercado por alianças fortes, gente competente e confiável, governar é um ato solitário, difícil, não raro angustiante. Sem nada disso é desesperador. Para o governante e, em especial, para os governados. No caso da presidente Dilma Rousseff, uma agonia que agudiza os efeitos da crise que já fez o país retroceder quase duas décadas.

Sem plano B, como assegurou o ministro Edinho Silva, A ou qualquer outro, Dilma transformou o improviso em método de governo. A cada dia anuncia algo que no dia seguinte será desanunciado para ser reanunciado em seguida.

Fez um escarcéu com o envio inédito de um orçamento com déficit para defender superávit dias depois. Refez tudo em um único final de semana. Anunciou cortes e novos impostos - e nem mesmo os mandou para o Congresso. Vai, volta, vai de novo, volta de novo.

Mas não é a única.

O ex Lula também tem vibrado como biruta em vendaval. Muda de ideia todas as vezes que desembarca em Brasília.

O mesmo Lula que passou a não esconder a insatisfação com a afilhada, que criticava abertamente o jeito desajeitado de Dilma fazer política, com declarações mais duras do que as da oposição quanto ao pacote fiscal, de repente dá demonstrações de não querer mais desapear sua pupila.

Dedicou a quinta e a sexta-feiras a uma agenda frenética de reuniões com petistas e aliados. Surpreendeu ao defender a permanência de Aloizio Mercadante no Ministério e com um inesperado encontro com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, a quem caberá o primeiro de muitos passos que um processo de impedimento da presidente terá de percorrer.

Desafeto e opositor declarado da presidente, Cunha só seria procurado por Lula em situação extrema.

Os movimentos erráticos do ex, ora pró, ora contra a presidente - para ter tempo de salvar o PT e a si -, exprimem o tamanho da aflição. Permitem imaginar que o patrocinador teme o volume de informações que Dilma detém e o que ela pode fazer com isso caso seja destituída.

Aqui, é a operação Lava-Jato que fala mais alto.

Mais do que as pedaladas em julgamento no TCU. Ou a possibilidade de que o TSE aprove a procedência da ação do PSDB contra o uso pela chapa Dilma-Temer de recursos provenientes de corrupção, tema que pode ser colocado em pauta na terça-feira, 22, e já conta com maioria em favor de sua admissão.

É o andamento das investigações da roubalheira na Petrobrás e seus anexos que alucina Lula, Dilma e cia. É o que vai ditar o ritmo da apresentação, do aceite ou não do requerimento de impeachment. Que vai definir o passo do PMDB de Cunha, Renan Calheiros e do vice Michel Temer, e a velocidade da corrida da oposição.

Não é por Brasília. É por Curitiba que o país passa.

Mary Zaidan

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...