.

.

quarta-feira, agosto 19, 2015

O FIM DEMORA


Quantos términos para o término de um amor?

Quantos “agora acabou!” é necessário dizer para realmente acabar?

Quantas portas a bater até entregar a chave?

Quantos desaforos até calar a boca?

Quantas discussões até conversar com calma?

Quantas gavetas serão esvaziadas até arrumar a mala?

Quantas desistências existem dentro da insistência?

Quantos reavivamentos são possíveis de um fogo morto?

Quantas recaídas até cair de vez?

Porque descobrir o fim ainda não é comunicar o fim.

Porque determinar o fim ainda não é explicar o fim.

Porque sentir o fim ainda não é encaminhar o fim.

É um amigo falar que seu relacionamento não tem mais saída, que eu já sei que ele caminhará muita rua antes de enxergar a parede.

É mais um desabafo do que uma verdade.

É mais uma vontade do que uma realização.

É mais um despacho do que um despejo.

Está no começo do fim, o que não significa fim.

Está elaborando o fim, mas não selando o fim.

Está roteirizando o fim, mas não contracenando o fim.

Está preparando o fim, mas não alterando a vida.

O fim demora.

O fim é semelhante a muitos reinícios.

O fim é procurar o melhor jeito de contar a notícia.

O fim é ouvir o contraponto.

O fim é oferecer mais uma chance.

O fim é cansar de tanto casar.

O fim é exaurir os apelos.

O fim é depor as armas e não mais impor mudanças.

O fim é esgotar as chantagens e as ameaças.

O fim é se perdoar pouco a pouco por quebrar as promessas.

O fim é não criar mais desculpas, é não ser mais bonzinho, é não querer repassar a culpa, é assumir a responsabilidade, é não ser o certo e não julgar o errado.

O fim é bloquear o coração mais do que o telefone.

O fim é longo.

O fim é serenidade que vem depois da adrenalina do desespero.

Não é chorar, chorar é o princípio do fim, o fim é quando as lágrimas secaram, é quando os olhos pararam de nadar, é quando não há esperança de resgate.

Encerrar uma relação imita o cartucho de qualquer impressora.

O computador indica o término, mas poderá imprimir mais cem páginas: folhas falhadas e com a tinta se esvaindo lentamente.

Cem páginas rendem um livro lindo e triste de poesia, porém jamais terá páginas suficientes para fazer um novo romance.

Carpinejar

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...