.

.

terça-feira, janeiro 05, 2016

Calendário

Mês 1. Ano 16, dos 2000. Bagagem nova para vida vivida de um dia atrás do outro como se corriqueiro isso não fosse. Mas é. E lá vem mais um carregado do mesmo. Algumas alegrias, euforias entremeadas de... ansiedades, esperanças, palpites acertados, desacertos arrumados. Ou desarrumados.

Palavras. Tantas gastas para dizer o mesmo a quantos que nem querem ouvir. Mas falar falando, escrevendo, fotografando... tantos e todos querem, em qualquer linguagem.

Comunicação de massa maciça. Online. Com som para cegos. Com letras para surdos. Em braile. O mundo fala de tudo. Mas em monólogos?

Comunicação de massa. Novidade única de tempos das distâncias curtas, comportamentos sem fronteiras – até nas fechadas, tudo é quase idêntico no pensar, no vestir, no falar igual em línguas diferentes.

Tudo amplo. Também restrito. Fora do padrão é rejeitado. Sair da caixinha é perigoso. Benção aos iguais. Maldição na diferença. Acesso a tudo. Ainda negado a muitos.

A caixinha – saiba - é caixão de defuntos vivos. Replicantes repetentes repetitivos. Tantos e em modo crescente.

Mas o ano é novo. Quem sabe renovado. Em tudo. Principalmente nas tantas certezas certas. Também nas incertas. Quem sabe dá bom no deu ruim.

Quem sabe escapamos de crises das crises. Quem sabe sorrimos mais e mordemos menos.

Quem sabe descobrimos saber pouco – de tudo. Quem sabe aprendemos mais a ser mais com menos.

Quem sabe escapamos do modelão, da exposição maciça e, na massa, desamarramos cabeça, tronco e membros. Quem sabe ampliamos, desamassamos. Desarmamos. Amamos. De novo. Mais uma vez.

Quem sabe aprumamos. Rearrumamos.

O calendário é novo. Viver é coisa tão antiga. A História é velha. Quem sabe ensina. Quem sabe aprendemos. Não repetimos. Nem rejeitamos – o novo, principalmente.

Quem sabe? Vai saber...


Tânia Fusco Tânia Fusco

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...