.

.

sábado, maio 02, 2015

Poema para um Amor



Entre os meus dedos
Derrama-se o anoitecer.
Cobre-me um horizonte de estrelas,
Enquanto vagueio pelo impreciso.
Ouço o canto noturno da solidão,
Eloquência definitiva da tua ausência
Trazida pelos acordes de Chopin.
Por sobre os meus lábios,
Do teu sorriso enigmático.
No presumir da imaginação
Teu olhar e minha vida
Na uníssona linha do infinito.
Entre as páginas suspensas
Do meu pensamento,
A tua e a minha história,
Grafadas em tantas esperas.

Meus olhos atravessam o longe
Sem qualquer hesitação,
Percorrendo os passos
De uma óbvia saudade.
Nada é incompreensível, nem impossível,
Quando o coração regressa
Ao caminho que tanto reconhece.
Sei dos braços que me esperam
E dos olhos que se fixarão nos meus.
Sei da palavra ansiada e desejada
Que me estenderás,
Quando se fizer silêncio
Entre a minha e a tua boca.

Volto-me a que sou
Em frente ao sonho,
Tão íntimo, tão próximo
A revelar-me o secreto desejo.
Nenhum gesto a limitar-me
A carícia, o toque, o desvelo.
Um mistério se prolonga
Nesta paz súbita de te pertencer.
Tu, doce e indelével miragem
Imagem vertiginosa e mansa
Plasmada para as minhas mãos
 
 Fernanda Guimarães

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...