.

.

quarta-feira, maio 13, 2015

Contágio Afetivo


Por mais que se diga o contrário, para mim, o afeto é a palavra mais importante que existe. 

É através dele que evitamos discórdias gigantescas e, por causa dele, que, muitas vezes, durante a nossa existência, fazemos as pazes com o outro e conosco mesmos.

A gente, embora grande na idade, não perde o gigantismo de criança desprotegida. Basta que algo ruim nos destroce e, imediatamente, queremos um colo, um amor, um alento. Alguém com quem possamos compartilhar nosso desalento, nossa dor particular, nossa vontade de não ter vontade. Alguém com quem possamos confessar nosso pânico de estar vivos no exercício de ser adulto.


É inútil pensar que cartões de crédito compram tudo, até amor sincero. Isso fica poético na letra do poeta talentoso, mas não nos serve quando a angústia nos solavanca a existência.


Mais do que as vitórias, é completamente acolhedor termos com quem contar quando algo nos acontece e não sabemos lidar com ele. Seja isso um abandono ou um corte de cabelo que deu errado.


Por aqui o que se vê são pessoas dispostas a usar a internet como instrumento e não ao contrário, ser usadas por ela. Isso seria um caos e caos é tudo que não queremos.


Quando vejo alguém se desnudando aqui fico com a sensação de missão quase cumprida. Quase porque afeto contagioso nunca se cumpre. Trata-se de um exercício diário e trabalhoso para o qual nem todos estão dispostos e, mais que isso, para o qual nem todos são capazes de realizar.


Muito diferente do que se pensa, é preciso ser forte para demonstra-se enfraquecido nas situações que nos apedrejam de acontecimentos surrealistas, mas totalmente reais.


O que todos queremos dizer é : " Eu só quero ser amado ".


Contudo e por tudo dizer isso demanda enorme coragem.


Quanto mais exposto você é mais enviesada pode ser a opinião a seu respeito.


Muitas vezes leio opiniões sobre mim que me ensinam a ser quem não sou.


Outras vezes me sinto representada por alguém que gostaria de ser.


No meio dessa mistura encontro alguém que é.


Me importam os comportamentos que vejo por aqui. Não por os avaliarem, mas pela possibilidade de crescer com eles.


É claro que sei e assumo o risco de ser avaliada. Mas me invado de uma adultice irresponsável e me torno responsável por ser adulta.


O mundo digital não leva ninguém a ser mau caráter. O mau caráter se habilita no mundo digital apenas para ser alguma coisa que jamais seria não fosse a possibilidade de estar escondido numa tela que nem sabe quem ele é, pois, nem ele detém tal informação.


Isso tudo é para dizer : " Se entregue!" " Se deixe entregar!"


Vá além dos discursos e das frases feitas.


Seja alguém que se desafia no verbo sentir. 


Ninguém lhe disse que seria fácil.


E não é mesmo!


Cláudia Dornelles

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...