.

.

sábado, março 21, 2015

NYT: Com Dilma, voz do Brasil perante o mundo virou sussurro


O jornal 'The New York Times' dedicou um editorial ao Brasil neste sábado.

As razões, como têm sido de praxe de uns tempos para cá, não são as melhores.

O NYT detalha a frustração dos brasileiros e de líderes estrangeiros com o governo Dilma desde sua primeira eleição, em 2011.

Segundo o jornal, a expectativa de que a presidente tivesse uma postura de tecnocrata e pragmática, alçando o país a outro patamar de desenvolvimento econômico, não se concretizou.

"A Sra. Rousseff desempenhou uma liderança aquém do esperado em assuntos internos e talvez mais frustrante ainda no cenário internacional. Enquanto as três outras grandes economias emergentes, China, Rússia e Índia, têm forte viés de política externa, sob o olhar da Sra. Rousseff, a voz do Brasil no cenário internacional raramente supera um sussurro", afirma.

O jornal sugere que Dilma deveria não apenas tentar recuperar a confiança dos brasileiros e solucionar a crise política no país, como também mirar o setor externo, em especial sua relação com os Estados Unidos.

"Um primeiro movimento seria colocar as relações diplomáticas entre o Brasil e os Estados Unidos de volta nos eixos", aponta o editorial, ao citar que as relações sofreram um baque depois que documentos vazados da NSA por Edward Snowden mostravam que Dilma era um dos alvos de espionagem.

O NYT enaltece as recentes conversas entre a presidente e membros do alto escalão da Casa Branca em direção a uma aproximação, mas reconhece que ela não ocorrerá do dia pra noite.

Segundo o editorial, contudo, é de extrema importância que as conversas se concretizem, já que o Brasil pode ter papel central na solução de questões envolvendo dois países de suma importância para a Casa Branca: Cuba e Venezuela.

"Na Venezuela, o Brasil talvez seja o ator externo mais influente capaz de mediar a cisão perigosa que ocorre entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição", afirma o texto.

Já em relação à ilha, o NYT acredita que o Brasil pode ter papel construtivo na evolução política pós-Fidel.

"Como uma líder de esquerda, a Sra. Rousseff demonstrou simpatia por líderes autoritários desses dois países. Mas, como ex-prisioneira política que foi torturada durante uma era de repressão militar, a Sra. Rousseff poderia fazer muito mais para ajudar a causa daqueles que defendem valores democráticos e os tipos de movimentos sociais que tornaram sua própria ascensão ao poder possível", conclui o editorial.

VEJA

Você também poderá gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...